quarta-feira, 16 de abril de 2014

Uma noite, um dia e uma noite mais depois... cheguei a Machico!


Contrariamente ao que havia previsto, não tomei notas no meu caderninho ao longo da minha viagem de 85 km pelos montes e vales da ilha da Madeira. Faltou-me destreza em determinados momentos para andar. Imagino se tentasse desenhar duas palavras com o bico da caneta!

Fui a Susana feliz e a Susana triste. A Susana energizada e a Susana derreada. Fui a Susana em modo “acredito” e a Susana em modo “não vai ser possível”. Fui também a Susana a correr e a Susana a deambular. Fui a Susana “quero” para, minutos depois, ser a Susana “não quero”. Fui a Susana lúcida e a Susana alucinada. Fui a Susana sem medo e fui a Susana cheia dele. Fui de tudo um pouco ao longo das 25h42m que constituíram esta aventura.

Muitas vezes me dizem que gostam de ler os meus relatos porque, com eles, consigo transportar os leitores até às aventuras que vivo. Pois bem… deixem-me desde já que vos diga que, desta vez, por melhor que seja a seleção das palavras, estas dificilmente traduzirão o que senti. Não conseguirão entender o que eu vivi. Nem eu conseguirei perceber o que viveram os atletas dos 115 km. Se querem saber como é, visitem a Madeira e o MIUT no ano que vem!

Uma “pequena” amostra do que nos espera

Aos 500 metros de prova já pensava ser impossível terminar. Dei comigo a subir de costas a parede que nos foi oferecida imediatamente a seguir à partida em Porto Moniz. Os gémeos pareciam pegar fogo! Depois de muito subir, entrámos finalmente num trilho que era chão. Muitas vezes ouvi eu este termo na Madeira. Para os locais, “chão” é sinónimo de plano. Mas a sensação que tenho é que pouco “chão” pisei!

A descida até ao km 5 deixou-me novamente entusiasmada e emocionei-me com os fortes aplausos e palavras de ânimo que recebemos por parte dos locais quando chegámos ao vale. “Olha esta pequenina”, diz uma senhora. “Esta pequenina já tem idade para ter juízo”, pensei eu, sorrindo. O sorriso esvai-se rapidamente. Começa a mais longa subida de todo o percurso dos 85 km. Mais coisa, menos coisa, e até ao km 27, nada mais teremos do que subidas, subidinhas, subidonas, escadas, escadinhas e escadões. É também neste momento que começo a ver a Mariana a afastar-se, a bom ritmo, e inicio assim a minha jornada a solo.

By night…

O CP1 em Fanal ao km 13 faz-me recuar no tempo. A noite, as luzes, a tenda… tudo isto me remete para Portalegre e para o UTSM há um ano. Boas recordações! Misturam-se os atletas das duas provas, recarrego energias e sigo caminho.

Seguem-se muitas horas de noite escura, sem estrelas e muito nevoeiro. Temperatura amena. Silêncio absoluto. De quando em vez alguém passa por mim. Vejo uma luz vermelha traseira a piscar. Vejo ao fundo um frontal quando me volto para trás. Gosto disto. Adoro isto. E não… não tenho medo.

O Paulo Pires ultrapassa-me. Trocamos algumas palavras. E assim vai acontecendo ao longo da prova. Os amigos dos 115 km, que sobem e descem mais do que eu que faço os 85, sempre retomam ao trilho que sigo e dão-me “palmadinhas nas costas”.

O João Mota cruzou-se comigo 4 vezes. O Didier e o Ricardo Belchior por duas vezes se cruzaram no meu caminho. Da primeira vez acharam que não chegaria ao fim, disseram-me depois. Na segunda ficaram surpreendidos por me ver correr como se estivesse na Corrida do Sporting, num longo estradão a cerca de 15 km da meta. Escuso de esclarecer que isto nada tem de grandioso, pois todos sabem que corro a 6'/km em estrada. O Ricardo Diez, Paulo Picão e Pedro Lizardo apanharam-me num trilho em single track, enquanto me debatia com o sono que quase me atirava para um qualquer arbusto. Como me sabia bem ver caras amigas, sorrisos conhecidos e palavras de incentivo!

Por diversas vezes me lembrei da crónica do José Guimarães, que correu os 115 km do MIUT em 2013, acompanhado do Miguel Pereira. Fizeram a prova juntos. Recordo-me do Zé fazer referência a um provérbio japonês que nos diz “ao lado do teu amigo, nenhum caminho será longo”. Não tive a companhia física desse amigo de que nos fala o provérbio japonês. Tive-a à distância de várias dezenas de mensagens escritas e palavras trocadas. "Onde estás, Susana?", perguntava-me. “Vais agora subir X metros”. “O declive é de Y%, Susana” . “Já fizeste a parte mais difícil”. “Força!”. “Tenho orgulho em ti!”. Rui, és esse amigo do provérbio e muito mais, e sabes lá como foste importante para que conseguisse caminhar e correr até ao fim!

O “Olá!” para a câmara e a subida ao Pico Ruivo

Depois de sair da Encumeada, iniciava a subida ao Pico Ruivo. Passo por um cameraman que pensava pertencer à organização. Quase sem fôlego, cumprimento-o com um “olá” arrastado, como sempre faço quando vejo alguém a fotografar, a filmar, a trabalhar nos abastecimentos e fora deles. Mais tarde viria a perceber que afinal se tratava de uma câmara da RTP1, quando, falando com os meus pais algures a meio do percurso para os tranquilizar, me disseram que me tinham visto na TV. Ficaram seguramente mais tranquilos depois de terem visto a esclarecedora reportagem!

A subida ao Pico Ruivo remeteu-me novamente para o UTSM. Estava a revisitar a subida a Marvão com a agravante de a subir não 4, mas sim 435 vezes! Há horas que tinha saído da Encumeada. 10 km apenas separavam os dois pontos. Estava exausta e as escadas não me davam tréguas. As escadas tortuosas, inclinadas, bicudas, redondas, baixas, altas. Escadas de toda a forma! As pedras e o cascalho. Tudo tornava a progressão lenta e demasiado difícil. Quando atingi finalmente o Pico Ruivo, o ponto mais alto da ilha, estava decidida a abandonar a prova. 48 km tinham sido percorridos. “Vou ficar por aqui”, disse, vendo o Luís Trindade e o Nelson Diogo chegarem. “Porquê?”, respondeu o Luís. “Estou exausta. Tenho dores.”, respondo de novo. “E eu não tenho dores, queres ver?”, questionou indignado. Aguardei 5 minutos e senti-me envergonhada. Afinal… o Luís e o Nelson acabavam de chegar ao Pico Ruivo depois de subir desde o Curral das Freiras. Eu havia subido dos 1.002 metros aos 1.748 metros. Os atletas dos 115 km haviam descido dos 1.002 aos 648 m, para depois voltarem a subir aos 1.748 metros. “Estás com dores, Susana?”, pensei para comigo. “Tem mas é juízo e mete-te a caminho”. E segui caminho.

Como é linda a Madeira!

Abençoado Luís pelo seu pragmatismo e assertividade, porque percorri um dos mais fantásticos caminhos de todo o percurso - o troço que separava o Pico Ruivo do Pico do Areeiro. Estou mergulhada naquele que é o maciço montanhoso central da Madeira. Não sabia que esta Madeira existia. Desconhecia por completo e é a terceira vez que visito a ilha. Vales profundos, declives escarpados. Escadas de todas as formas e feitios onde mal cabe o meu pé de tamanho 35. Túneis. “Susana, olha para a frente, sempre em frente”, pensei. Luís Sommer Ribeiro, lembrei-me de ti e das tuas vertigens. Eu, que não as tenho, arrepiei e senti as pernas tremer. Mas quanta beleza. Quanta grandeza. E é nosso!

Seguia tranquilamente, apreciando tudo o que me rodeava. Tinha saído do Pico Ruivo com a certeza de que a minha prova terminaria no posto de controlo seguinte, no Pico do Areeiro. Era impossível cumprir com o tempo limite das 16 horas. Tinha 7 km por fazer e pouco mais de 1 hora e meia para os completar. Quando chego já perto das 17 horas ao Pico do Areeiro, passo o chip no controle e anuncio que venho já fora do tempo. “Ainda nada nos disseram no sentido de barrar os atletas, pelo que pode continuar”, respondeu uma menina da organização. Sou envolvida por um misto de angústia e alívio e decido continuar. Só faltam 30 km. Os mais fáceis, diziam. O que tenho como certo é que os 30 km que se seguiram foram uma das mais fantásticas experiências da minha vida.

Alucinando…

Começava a cair a noite. A minha segunda noite em prova. Estou acordada desde as 9 da manhã de 6.ª feira. 34 horas, portanto. O que podemos esperar da nossa cabeça nestas condições? Asneiras, claro!

Nunca fumei. Tirando 2 ou 3 cigarros para mostrar que era crescida, nunca fumei coisa alguma. Agora sei que para alucinar não é preciso nenhuma substância alucinogénica. Basta andar há mais de 20 horas sozinha a monte e o sucesso é garantido.

Até chegar à meta ainda tinha que passar por 4 postos de controlo e por uma diversidade imensa de tipologia de percursos e paisagens. Depois do abastecimento em Lamaceiros, aos 66 km, segui mais energizada para aquela que pensava ser a parte mais fácil de toda a prova. A noite começa a cair e consigo cai também o nevoeiro. Ligo o frontal. Não chega. Ligo o segundo frontal e levo-o comigo na mão, preso ao bastão, como se de uma lanterna se tratasse.

Não vejo as fitas de marcação à distância. Só quando estou bem perto delas. Por cima da minha cabeça apenas uma mancha de luz que se dispersa no nevoeiro. Sigo com prudência porque não consigo perceber que caminho tomar com a devida antecipação.

Entro novamente na floresta e deparo-me com árvores que parece que foram pintadas. Os ramos transformam-se em braços. A folhagem desenha caras de bruxas. Vejo crucifixos e assusto-me. No meio dos arbustos vejo olhinhos vermelhos – estes sei que são reais e pertencerão a um qualquer “bichinho”. Oiço coisas. Vejo caras. Estou a alucinar. Estive perto de chegar a uma situação de pânico, creio. O telemóvel dá sinal de mensagem. A Ana Guimarães está do lado de lá. Ligo-lhe e peço que fale comigo, que diga coisas divertidas. E assim vamos nós, primeiro as duas, depois com o Pedro Quina e o Ricardo Arraias, numa verdadeira “conference call”, que me arrastou para fora dali e para longe do filme de terror que cheguei acreditar estar a viver. Horas depois, já depois de ter cruzado a meta, disseram-me que era normal. Contaram-me histórias de alucinações do mais absurdo que há. Nessa altura sorri e acreditei que afinal era só mais uma pessoa saudável no meio de outros loucos saudáveis. Felizmente não tenho que me sentar no divã de um qualquer psiquiatra!

Quando penso que a partir daquele momento só pode melhorar, vejo-me a descer um trilho técnico que me faz estremecer. Quando o termino, cruzo dois elementos da organização que me alertam que agora só tenho que subir “aquilo ali ao fundo”. A meta está do lado de lá.

Sinto que tenho diante de mim o Monte Evereste. Nunca lá estive, mas acredito verdadeiramente que naquela noite o Evereste aterrou na Madeira. Se estrelas houvesse naquela noite, teria tocado nelas. Só me sentia a subir, a subir, e a subir.

O piso e falta de visibilidade atrasam a progressão. Perco o Norte. Começo a ficar irritada pois sinto-me como se estivesse às voltas no monte. Começo a soltar palavras menos dignas de uma menina. Estou só naquele mundo perdido. "Mas onde estão todos?", penso.

Depois de muitas voltas e caça às fitas de marcação, encontro finalmente o marco geodésico. Só nessa altura sossego, pois sei que se precisar de ajuda, ali saberei comunicar onde estou. Ao longe ouve-se música que penso ser a da meta. Uns momentos depois esvai-se de novo. Estou novamente às voltas e não encontro o momento em que inicia a descida. Quando começo finalmente a descer verifico que ainda estou a chegar ao posto de controlo das Fonduras. Depois disso, pedra e mais pedra a fazer lembrar a Serra da Freita onde nunca estive, seguindo-se mais uma levada, até à Portelinha. Junto à levada vi fantasmas. Afinal eram apenas os lençóis que esvoaçavam no estendal de casas próximas. Muitos fantasmas vi eu! Alucinando, claro!

Mais uma descidita. Começa a chover. O vento sopra forte. Estou a 4 km da meta e agora sim, tropeçando e escorregando pelas pedras que se atravessam no meu caminho, acredito que vou chegar ao fim, antes das 26 horas.

Epílogo

Acredito verdadeiramente que depois do que vivi saí muito mais forte para enfrentar todos os outros desafios que a vida me colocará.

E é talvez por isso que procuro a montanha.

Porque me dá prazer. Porque me faz crescer. Porque me ensina a ter prudência, mas também ousadia. Porque é mais eficaz (e maravilhosa) do que todas as formações em sala sobre valorização pessoal, gestão de stress, liderança (de nós próprios) e outras coisas tais, que se possam frequentar. Não há melhor coach do que a montanha.

Entendam este texto como um testemunho verdadeiro. Não se trata de uma auto-biografia de 26 horas em jeito de auto-comiseração. 

Amanhã é 5.ª feira, e partiria de novo pelas 19 horas para o Funchal, tal como aconteceu na semana passada. Estaria novamente com todos os amigos que partilharam destas alegrias e receios pelos trilhos da Madeira. Alinharia de novo na partida e, se assim estivesse destinado, chegaria à meta pela 1h42 de domingo.



58 comentários:

  1. Belíssimo texto, Susana.
    Fantástico feito que só faz admirar quem não te conheça. És uma extraordinária mulher.
    Espero partilhar contigo muitas mais aventuras, de preferência "in loco". Sofre-se mesmo muito mais ao longe.
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Rui. Foste o amigo, o GPS, a barra energética, o amendoim e muito mais! Por certo terminaste também com dores nos quadríceps! :-)

      Eliminar
  2. Cara Amiga Susana! Uma aventura! Fazes parecer dificil mas fácil ao mesmo tempo! =D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinho para ti, Mónica. Passo a passo, lá vamos chegando! ;-)

      Eliminar
  3. Parabéns. Gostei de te ver à 3a vez pois ali já dava para perceber que irias acabar a prova. Gande lutadora!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado grande Susana por este teu testemunho brilhantemente escrito! Parabens porque afinal és muito grande! Um exemplo para todos nós que adoramos o trail!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas simpáticas palavras. Bons trilhos!

      Eliminar
  5. Adorei viajar contigo pela Madeira... :) Quanto às alucinações, não me livrei delas nos 100 km do "Oh Meu Deus" da Estrela, e fazem parte destas belas aventuras. Muito obrigado pela partilha, e boa sorte nas próximas aventuras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Mauro. Retribuo os desejos de boa sorte para as próximas aventuras... Na montanha, claro!

      Eliminar
  6. Muito bom. Claro que estou triste mas não é por teres terminado este enorme desafio! ;) Parabéns por isso e por mais um saboroso texto. É por estas e por outras que esta ultra que é organizar um ultra nos mata também um pouco mas que no final se torna tão saboroso. Beijoka e boa recuperação. (PS - Se precisares de um dorsal à última da hora é só dizeres! :D)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O take 2 do UTSM vai ter que esperar, João. Vai custar um pedacinho quando chegar o dia, mas é a decisão mais sensata. Beijinho grande e obrigada.

      Eliminar
  7. Relato fantástico, agora dou AINDA MAIS valor ao meu amigo que fez os 85km. Foi realmente duro. Os meus sinceros parabéns :)

    ResponderEliminar
  8. Mesmo sem a conhecer, dou-lhe toda a admiração do momento após ler este excelente relato e viver, nestes 3 minutos de leitura, a aventura que experimentou numa prova que é o meu sonho de trailer de trazer por casa. Parabéns pelas palavras e pelo feito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta trailer de trazer por casa que eu também sou chegou à meta, logo... O MIUT espera pelo Alexandre em 2015! :-)

      Eliminar
  9. Mas que belo naco de prosa, Susana. Texto tão longo e tão breve. Tal como disse noutro local, não obstante teres chegado bem depois do pôr-do-sol, ainda chegaste bem dentro do tempo regulamentar. Ah! E não foste a última!

    Parabéns a duplicar, Susana.

    Boa recuperação física e… do sono!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tratar do sono, porque as pernas já recuperaram! Muito obrigada pelas simpáticas palavras!

      Eliminar
  10. Só mesmo quem já fez algo do gênero é que pode "ver" o seu verdadeiro significado! Lindo comentário e como é linda a nossa Madeira... :)

    ResponderEliminar
  11. Belíssimo relato Susana, mesmo sabendo que é impossível pôr em palavras a tua vivência. É como dizes no início, quem quiser saber, é ir lá para o ano.

    E sim, és uma valente rapariga! Há nesses e noutros trails cenários que me assustam de tal modo que não me atrevo sequer...

    Beijinho e adorei ler, tudinho e com muita atenção pois o texto prendeu-me do início ao fim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande beijinho para ti, "Maria". Quando lá estamos, todos nos transformamos e encontramos a valentia que julgávamos escondida. Acredita em mim!

      Eliminar
  12. É tão brilhante quem acaba nas primeiras posições, como quem consegue passar para palavras uma experiência destas. Espero poder ler mais...
    Muitos parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas simpáticas palavras! Se continuar a correr, por certo continuarei a escrever logo... Até breve! :-)

      Eliminar
  13. Parabéns Susana! Esta tua aventura em muito se assemelha à minha nos 45 km da Serra d'Arga... A intempéries, o percurso e teres a ti própria como companhia! Grande proeza a tua, admiro-te. Ao ler este teu relato, espero ter a mesma destreza e coragem na minha aventura em Portalegre, no GTSM. Como tu, seguirei o meu ritmo, a minha vontade e o meu coração. Beijinho e até qualquer dia pelos trilhos! Verinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Vera! Portalegre e o UTSM serão por certo uma aventura maravilhosa. Estive lá em 2013 e guardo aquela centena de km num lugarzinho muito especial. Vai ser fantástico. Desejos de muita sorte e energia!

      Eliminar
  14. Muitos parabéns!!! Espero passar por isso e muito mais no Marão! Boa sorte para as próximas aventuras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada. Boa sorte para o maravilhoso Marão!

      Eliminar
  15. fabuloso.... Parabéns :)

    ResponderEliminar
  16. Espectacular! Grande Aventura ;)
    "Chão" :) pois é, na Madeira usamos muito essa expressão....Realmente a Ilha é muito bonita, de uma ponta a outra, junto ao mar, nas montanhas....é a Pérola do Atlântico. Muitos parabéns pela coragem, ousadia, persistência em continuar numa prova em que parecia impossível chegar ao fim. Na noite de sábado para domingo choveu e pensei nos que ainda estariam em prova, principalmente a atravessar as Fonduras-Boca do Risco-Pico Castanho-Portelinha, devia de "meter medo"....Esperamos por si no próximo ano :)

    ResponderEliminar
  17. Parabéns!!!
    Adorei "ouvir" o seu relato, eu também fiz a prova de 85 km e ao ler estas frases emocionei-me, somos uns sortudos em ter a oportunidade de viver tão belas sensações...
    Grande Abraço e até um dia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada e parabéns, finisher dos 85! Até breve, numa montanha por aí! :-)

      Eliminar
  18. Obrigado por dar vida às palavras de uma forma tão vivida, tão real e sentida que nos faz realmente transportar no tempo e no espaço ;)
    Parabéns também por esta conquista.. e pelas próximas! :)

    ResponderEliminar
  19. Que delícia ouvir a minha ilha "contada" por ti! :-) Não resisti às lágrimas de emoção quando subias para o Pico Ruivo (também eu já a subi com o pensamento certo de que quando chegasse lá acima encurtaria o trajeto para a Achada do Teixeira. Mas o Ruivo é inspirador e continuei). A tua viagem até ao Pico do Areeiro dá-me um aperto de saudades dessa minha ilha que me falta ainda tanto para conhecer, e do meu Avô, que me pegou esse bichinho de querer conhecer veredas novas.
    Obrigada. :-) E parabéns por essa fantástica experiência que partilhas connosco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijo enorme para ti, a minha madeirense preferida! :-)

      Eliminar
  20. Susana, obrigado pela emocionante descrição da tua prova e parabens pelo feito conseguido. Ontem em conversa com o Diez, fui-me entusiasmando com o MIUT, mas depois de ler esta tua crónica tudo farei para no próximo ano lá estar. Estas ultras são experiências fantásticas que vivemos e felizmente tive a oportunidade de a viver no UTMB 2013. Talvez nos encontremos no UTSM onde espero não faltar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Luis. Estava previsto alinhar na partida do UTSM mas decidi dar um pouco de descanso ao corpo e mente. Em maio volto ao ativo! Desejos de muita sorte! :-)

      Eliminar
  21. Aqui deixo uma palavra de admiração pela ousadia e coragem vivida, estes são os desafios da vida que se enfrentam sem sabermos o que está para além do sonho. Para muitos de nós não dá sequer para imaginar o que se passa em determinados momentos de desespero, é aqui que a grande força mental ultrapassa as barreiras que julgávamos impensáveis. Parabéns deste amigo que muito te respeita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Joaquim... Muitas vezes pensei eu no trio do UTSM, muito particularmente noite dentro! Beijinho grande para ti, valente!

      Eliminar
  22. Não há dúvida! Esta é da prosa mais deliciosa que tenho lido sobre corrida (e olha que leio muita!)!
    Espero que continues com essa força para fazer muito mais provas... porque para quem te «lê», é um deleite!
    Obrigado pela partilha!

    ResponderEliminar
  23. Queria tanto ter um pouco mais de força de vontade para ir, imagino o quão maravilhoso deve ser. O meu marido fez os 115, eu quero começar a correr, mas ou por isto ou por aquilo e adio constantemente... mas o seu texto deu-me alguma fonte de energia. Resta-me desejar-lhe os meus Parabéns. GRANDE MULHER!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passo a passo, devagarinho! Coragem para começar e depois não quererá parar! Muito obrigada. :-)

      Eliminar
  24. Obrigado pelo excelente relato.
    São palavras e emoções como estas, que dão ânimo aos "loucos" que organizam este tipo de provas. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito loucos estes organizadores, sem dúvida! :-)

      Eliminar
  25. Parabéns! Fazer uma distância tão grande não está a alcance de qualquer um :)

    Já passou por caminhos que a maior parte dos madeirenses desconhecem...inclusivamente eu :(

    Quero ver se para o ano entro no MIUT... mas pelos 20km :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! Devagarinho se vai ao longe! Coragem! :-)

      Eliminar
    2. Parabéns !!! Estas fantástica com escritora, com atleta e com pessoa.

      Eliminar
  26. Bolas Susana, mais uma vez me fizeste chorar, como é possível andar de noite, sozinha, sem conhecer os caminhos.... muito corajosa ou louca ou sei lá.
    Gostei da parte dos fantasmas, fartei-me de rir, adorei a parte de nunca teres fumado nada mas mesmo assim teres alucinado, pronto gostei de tudo e adoro ler-te.
    tenho muito orgulho em te conhecer...
    beijinho grande, eugénia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Eugénia, obrigada pelas tuas doces palavras.
      Beijinhos com saudades.

      Eliminar
  27. Como sempre... brilhante...mesmo ausente do país na altura da prova n queria deixar de ler a tua crónica... estou de acordo com o Iosif... estás fantástica como atleta e como escritora :)

    ResponderEliminar